segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Paciente MI comparece a clínica de urgência da Universidade com o seguinte relato:
"Faz 2 meses que sinto dor, nos últimos dias essa dor aumentou e nenhum analgésico resolve mais, fiquei tão desesperada que comprei um medicamento na farmácia para colocar dentro da cárie para matar o dente, mas não resolveu. A dor aumenta muito com o frio e ao deitar".
Foi realizado o exame radiográfico:

Qual o diagnóstico dessa situação?

Resposta dia 13/10/2009

5 comentários:

  1. Um possível diagnóstico para o caso é de uma pulpite aguda irreversível, devido a sintomatologia apresentada pela paciente e características álgicas citadas.

    ass:Marcelo Vitoriano

    ResponderExcluir
  2. Pela as características clinicas e radiográficas relatadas no caso clinico, tem um possível diagnóstico de uma pulpite aguda irreversível de fase avançada.o tratamento para esse caso seria remoção da polpa,tratamento e obturação dos canais radiculares e proservação do caso.
    Ass: Lucas Veras

    ResponderExcluir
  3. Pulpite irreversível aguda!
    O dente ainda estava com a cavidade aberta?
    Quanto a pericementite?Sentia alguma sintomatologia dolorosa à percução?
    Quanto a utilização de algum analgésico de ação periférica sem eliminação da sintomatologia(precisa ser comprovado a ineficácia do metamizol-dipirona-,do paracetaml e dos AINES VO)em se estando num consultório que não dispõe dos materiais adequados para o ideal acesso e extirpação da polpa radicular (MUITOS PSF), algo que pode dar um alívio grande e quase que instantaneo é a administração IM de qualquer inibidor não seletivo das COX(Cetoprofeno, Diclofenaco de sódio,Diclofenaco de potássio ou qualquer outro disponível) verificar somente a algum quadro prévio de sensibilidade a droga!
    Claro que a medicação aí é coadjuvante e paliativa, já que a causa precisa ser removida, porém com uma medida desta vc consegue um silêncio operatório muito interesante até mesmo para encaminhar o paciente a um serviço especializado, visto que a droga IM tem uma ação rápida e estes inibidores não seletivos da COX tem uma meia vida plasmática relativamente boa, cerca de 8 a 12 hrs + dipirona VO de 6/6 ou até de 4/4 sem estender por períodos prolongados!
    existe a possibilidade tb, no caso de vc dispor, da utilização dos COX seletivos(Coxibes) que são padrão ouro no tto da dor...
    Lembrando mais uma vez que se faz necessário remoção das causas para eliminação da dor, instituindo-se a terapia medicametosa só para silêncio op. e para maior conforto do paciente
    A utilização de uma técnica anestésica adequada(escolha da base e do vaso, punção lenta e aspiração negativa) dá um conforto muito bom ao paciente!
    TecAL Adequada+TerMed Adequada+Remoção da Causa= Eliminação da Dor e Conforto pro Pac


    Parabéns pela iniciativa do blog...jáestá nos meus favotitos...espero contribuir com as opiniões e receber outras construtivas...isso é ciência...exposição e discussão...é assim que evoluímos sempre!
    Abraços a todos!

    ResponderExcluir
  4. Pela descrição do caso, acredito ser Pulpite Irreversível Sintomática (Cohen e Hargreaves 2009).
    Parabéns aos amigos pela iniciativa, e espero que movimentemos este espaço de discussão científica positiva...
    Bruno Carvalho de Sousa

    ResponderExcluir
  5. Pelo que foi descrito, o dente apresenta vitalidade, e não há evidências de lesão periapical na radiografia, e o periodonto apresenta-se aparentemente normal.A pulpite reversível assintomática seria uma boa hipótese diagnóstica, porém deve-se fazer mais exames para confirmar,como palpação, percussão...e ver o estado da cárie que está presente.

    ResponderExcluir